26.10.12

Marionetas com animação bi e tridimensional em estreia


Ilustração de Júlio Vanzeler


O Serviço Educativo do Teatro do Campo Alegre, promovido pela Câmara Municipal do Porto, através da Fundação Ciência e Desenvolvimento, e o Teatro de Marionetas do Porto, apresentam, em estreia absoluta, o espetáculo de marionetas “O Senhor…”, uma peça inovadora que cruza a marioneta com a animação 2D e 3D. “O Senhor…” será apresentado entre 10 e 21 de novembro, para escolas e famílias.

“O Senhor… “ é baseado num livro de João Paulo Seara Cardoso, tem encenação de Isabel Barros, marionetas de Júlio Vanzeler, a interpretação é de Edgard Fernandes, Rui Queiroz de Matos e Sara Henriques.

"Havia um homenzinho muito pequenino que vivia numa casa muito pequenina. (...) Apesar de ser muito pequenino, o Senhor... meteu-se numa emocionante aventura que acabou em grande!”. Esta história, concebida para crianças e imperdível para adultos, é agora explorada pelo Teatro de Marionetas do Porto que a transforma num projeto que experimenta os limites da utilização da marioneta contemporânea, na criação de um objeto inovador, num cruzamento entre a marioneta e a animação 2D e 3D, a cargo do coletivo HUSMA, que também assina a música do projeto.

Os objetivos deste projeto organizam-se em duas vertentes distintas: num primeiro plano, inerente à história representada, está a estruturação de valores sociais e de comportamento individual face a situações de adversidade; num segundo plano, promove-se o desenvolvimento da sensibilidade estética e da criatividade, junto de um público em que a fantasia e a expressão são uma constante.

O SENHOR... (ESTREIA) - Teatro de Marionetas/Animação 2D e 3D
Escolas, Pré-escolar e 1º Ciclo do Ensino Básico: 13, 14, 15, 16, 20 e 21 de novembro, às 10h30 e às 15h00 (por marcação prévia)
Público em geral, maiores de 4 anos: 10, 11, 17 e 18 de novembro, às 16h00
Encenação: Isabel Barros /Texto: João Paulo Seara Cardoso
Interpretação: Edgard Fernandes, Rui Queiroz de Matos e Sara Henriques
Marionetas e ilustrações: Júlio Vanzeler / Animação 3D e música: Coletivo HUSMA (João Apolinário, José Teixeira, Nuno Cortez e Pedro Cardoso)
Figurinos: Patricia Valente/ Desenho de luz: Rui Pedro Rodrigues
Produção: Teatro de Marionetas do Porto
Espetáculo acolhido no âmbito da programação do Serviço Educativo da Fundação Ciência e Desenvolvimento/Câmara Municipal do Porto.

Ensaio aberto à imprensa dia 5 de Novembro de 2012, às 15h00.
Por favor confirmar presença através do número 915399261. Obrigada. 

O próximo espetáculo...

Para ler por favor clicar sobre a imagem. Reservas já disponíveis. 

Revista Pais & Filhos

Revista Pais & Filhos de Novembro de 2012. 

22.10.12

Imprensa




De cima para baixo: Jornal Expresso ( revista ATUAL) e jornal Público 
Notícias publicadas a 20 de Outubro de 2012

Fotografias de "O Grito dos Pavões"



















Fotografias de Sara Moutinho.

O Serviço Educativo do Teatro do Campo Alegre (TCA), promovido pela Câmara Municipal do Porto, através da Fundação Ciência e Desenvolvimento, apresentou “O GRITO DOS PAVÕES”, um espetáculo de teatro e música para famílias e escolas, baseado em poemas construídos pelos mais pequenos com a ajuda do poeta Rui Lage, com produção da Astro Fingido.

A peça foi no TCA para escolas, do 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico a 18 e 19 de outubro e a 20 de outubro para famílias e crianças maiores de 6 anos.

Direção artística: Ângela Marques e Fernando Moreira
Dramaturgia a partir de poemas escritos por crianças: Astro Fingido e Rui Lage
Interpretação: Ângela Marques, Carlos Adolfo e Flávio Hamilton
Música: Carlos Adolfo
Cenografia, figurinos e instalação: Sandra Neves
Luz: Wilma Moutinho
Operação técnica: Cláudia Valente
Design gráfico: Rui Duarte
Produção: Astro Fingido


19.10.12

Imprensa hoje



De cima para baixo: semanário Grande Porto e semanário SOL.

18.10.12

Imprensa de hoje



De cima para baixo:
Revista Sábado - Roteiro e sugestões - 18 de Outubro de 2012
Revista Visão - Destaque crianças - 18 de Outubro de 2012
Para ler por favor clicar sobre as imagens. 

10.10.12

Árvore Poética do Serviço Educativo


No âmbito do projeto "O Grito dos Pavões", lançamos um desafio:

Ajude-nos a criar a Árvore Poética do Serviço Educativo.

Envie-nos um poema - feito por si ou um de que goste muito - para ser "plantado" no Teatro do Campo Alegre. 

Pode enviar quantos poemas quiser para geral@tca-porto.pt


8.10.12

O GRITOS DOS PAVÕES - Teatro e Poesia para famílias e escolas


Ilustração de Rui Duarte

O Serviço Educativo do Teatro do Campo Alegre (TCA), promovido pela Câmara Municipal do Porto, através da Fundação Ciência e Desenvolvimento, apresenta “O GRITO DOS PAVÕES”, um espetáculo de teatro e música para famílias e escolas, baseado em poemas construídos pelos mais pequenos com a ajuda do poeta Rui Lage, com produção da Astro Fingido.

A peça será apresentada no TCA para escolas, do 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico a 18 e 19 de outubro, às 10h30 e às 15h00 (sessões por marcação prévia) e a 20 de outubro, às 16h00, para famílias e crianças maiores de 6 anos.

Ao mesmo tempo o lança-se um desafio: “ajude-nos a criar a árvore do Serviço Educativo. Envie-nos um poema – feito por si ou um de que goste muito –, para ser ‘plantado’ no Teatro do Campo Alegre”: geral@tca-porto.pt .

Aos primeiros sons do espetáculo perguntamo-nos: onde se escondem os pavões?
Depois vemos surgir caixas grandes, médias e pequenas, com personagens lá dentro...
E de dentro das personagens brotam poemas de crianças...
E é mesmo de dentro dos poemas das crianças que o espetáculo acontece, cheio de criatividade e ingénua sabedoria.

DESCRIÇÃO

Depois das leituras encenadas de poesia portuguesa, apresentadas com música tocada ao vivo em instrumentos-brinquedo em várias escolas e bibliotecas, as crianças foram convidadas a participar numa oficina de escrita criativa. O resultado dessa oficina seguiu para as mãos do poeta Rui Lage que, após ligeiras adequações, o transformou numa unidade dramatúrgica, o cerne vivo deste espetáculo. É assim, pois, de dentro dos poemas das crianças que O Grito dos Pavões acontece, num misto de criatividade e ingénua sabedoria...

OBJETIVOS

Este projeto visa despertar a curiosidade e, depois, o gosto não só pelo teatro, como também pela poesia. Os mais novos são postos em contacto com uma linguagem poética que, gerada por outras crianças suas semelhantes, inevitavelmente os conduz para um mundo de imaginação e de pensamento divergente. O ritmo, as sonoridades e a entoação não passam despercebidos e é aconselhável que, em caso ou na escola, os educadores se preparem para dar continuidade a uma sensibilidade poética, que pode,
até aí, nunca se ter revelado. O Serviço Educativo do Teatro do Campo Alegre promete ajudar com a plantação da "árvore de poemas"!

O GRITO DOS PAVÕES

Lemos num poema de Ruy Belo que “ninguém sabe andar na rua como as crianças/para elas é sempre uma novidade”. Novidade vedada aos adultos, porque neles a inocência deu lugar à experiência, e a infância passou a ser um tempo mítico, longínquo e perdido. As crianças possuem a capacidade de olhar as coisas, mesmo as mais familiares, como se estivessem a olhar pela primeira vez, e esse olhar primeiro habita depois as suas palavras, ainda não gastas do quotidiano e usadas de rotina. Por isso nos desconcertam tanto. Quem nunca se deixou surpreender pela “sabedoria” das crianças, ou esclarecer a sua lógica “absurda”? Mas como a surpresa é irmã da novidade, quando nós, adultos, ouvimos as palavras das crianças, é como se ouvíssemos essas palavras pela primeira vez. Talvez então nos seja dado, por breves instantes, andar na rua como só fazem as crianças sabem, e ouvir como só elas ouvem o “grito dos pavões”.
                                                                                                                              Rui Lage



FICHA:

Direção artística: Ângela Marques e Fernando Moreira
Dramaturgia a partir de poemas escritos por crianças: Astro Fingido e Rui Lage
Interpretação: Ângela Marques, Carlos Adolfo e Flávio Hamilton
Música: Carlos Adolfo
Cenografia, figurinos e instalação: Sandra Neves
Luz: Wilma Moutinho
Operação técnica: Cláudia Valente
Design gráfico: Rui Duarte
Produção: Astro Fingido
Duração aprox.: 50 minutos

Dia 17 de outubro, às 15h00, realizar-se-á um ensaio ao qual os Órgãos de Comunicação Social poderão assistir. Por favor confirmar presença: 915399261

Ilustrações - COMO TU - fotografias











Fotografias de Sara Moutinho. 

No dia do lançamento do livro de Ana Luísa Amaral "Como Tu", Elsa Navarro, autora das ilustrações do mesmo livro, brindou os presentes com uma extraordinária exposição dos originais. Aqui ficam algumas fotografias dessa exposição. 

4.10.12

Como Tu - fotografias











Fotografias de Sara Moutinho



“Como Tu” apresentado no Teatro do Campo Alegre
Educação Sexual e afetos chegam agora a livro

Primeiro foi a resposta a um desafio que subiu ao palco em novembro do ano passado, numa peça de teatro para crianças. Depois fez-se um livro. O livro foi agora apresentado no Teatro do Campo Alegre (TCA) onde a mesma peça voltará a estar em cena em Abril.
O desafio foi lançado pelo Serviço Educativo do Teatro do Campo Alegre, promovido pela Fundação Ciência e Desenvolvimento através da Câmara Municipal do Porto, à escritora Ana Luísa Amaral e ao encenador Pedro Almendra e resultou num espetáculo – “Amor aos Pedaços”- que, envolto em brincadeira, abordou conceitos relacionados com a educação sexual, o crescimento, as diferenças e os afetos dos mais jovens.
Depois, com o texto original de Ana Luísa Amaral, onde, de forma livre e poética, se fala dos conceitos do corpo e família, da questão das diferenças e da noção dos limites, surgiu um livro “Como Tu” que é texto mas também é música (de António Pinho Vargas), palavra dita e ilustração.
Conduzida por Rui Nunes, administrador da Fundação Ciência e Desenvolvimento, a sessão de apresentação do livro “Como Tu” aconteceu no dia 1 de Outubro, no Café-Teatro do TCA, com a presença da escritora, da ilustradora (Elsa Navarro) e de responsáveis da editora Quidnovi.
Ana Margarida Ramos, Docente e Investigadora do Departamento de Línguas e Culturas da universidade de Aveiro, apresentou a obra. Com Álvaro Teixeira Lopes, ao piano, e os atores Rute Pimenta e Pedro Lamares (acompanhados por Ana Luísa Amaral) deram voz aos textos.
Rui Nunes fez questão de salientar que este projeto bem- sucedido realça a união entre cultura e educação para os valores que tem sido mote das ações da Fundação.